Feeds:
Posts
Comentários

Archive for março \10\UTC 2011

Diante do avanço dos leitores digitais, grandes redes investem em expansão, diversificam o portfólio e reforçam a oferta de livros eletrônicos

Luiz Guilherme Gerbelli, O Estado de S.Paulo, 7 de março de 2011

No mês passado, a Borders, segunda maior rede de livraria dos Estados Unidos, pediu concordata e decidiu fechar 30% das suas lojas. A justificativa foi a dificuldade da empresa em se ajustar diante das novas tecnologias. A chegada dos leitores digitais revolucionou o mercado literário e obrigou as principais redes a repensarem o modelo de negócio. O que tira o sono dos principais executivos é saber qual será o peso do livro impresso no faturamento. (mais…)

Anúncios

Read Full Post »

Renato Cruz, O Estado de S.Paulo, 7 de março de 2011

Kevin Kelly, ex-editor da revista Wired, publicou um gráfico em seu blog. A partir das quedas de preço do Kindle nos últimos dois anos, o gráfico, que havia sido feito originalmente por John Walkenbach, mostra que o preço do leitor de livros da Amazon chegaria a zero em novembro deste ano, caso a tendência fosse mantida. (mais…)

Read Full Post »

Pedro Doria, Link, 7 de março de 2011

A Comissão Federal de Telecomunicações americana ganhou um conselheiro á proteção do consumidor na internet e nos serviços móveis. É Tim Wu, professor da Escola de Direito da Universidade de Columbia, Nova York. Seu trabalho:garantir que a rede continue neutra. Que às grandes empresas de telecomunicações não seja permitido decidir se um site carregará mais rápido do que outro. (mais…)

Read Full Post »

Pesquisa realizada por entidade americana indica que, para o brasileiro, o produto pirata custa o mesmo que o produto original nos EUA

Silvio Crespo, O Estado de S.Paulo, 7 de março de 2011

O DVD “Batman, o Cavaleiro das Trevas”, que foi lançado nos Estados Unidos por US$ 24 (R$ 39,60) para o consumidor final, tem um peso no bolso do brasileiro equivalente a US$ 85,50 (R$ 141). Os dados são de um estudo coordenado pelo Social Science Research Council, uma entidade de pesquisas com base em Nova York, que será divulgado na próxima quarta-feira. Os números foram antecipados pelo portal Economia & Negócios, do “Estado”.

Com o título “Media Piracy in Emerging Economies” (Pirataria de Mídia em Mercados Emergentes, em tradução livre), é a primeira investigação científica empírica que analisa comparativamente a pirataria em países emergentes considerando não apenas as políticas de repressão e os preços dos produtos, mas também o poder de compra da população.

A pesquisa aponta que o brasileiro, ao comprar produto pirata, sente no bolso quase o mesmo que os moradores dos Estados Unidos sentem quando adquirem o produto original. O Batman saía por cerca de US$ 3,50 no mercado ilegal do Brasil em 2008 (ano em que foi feita a tomada de preços), só que esse valor, para a renda de um morador do País, corresponde ao que seria um gasto de US$ 20 para um americano. (mais…)

Read Full Post »

Uirá Machado entrevista Renato Dagnino, Folha de S. Paulo, 7 de março de 2011

O Brasil não está pronto para erradicar a miséria nem para absorver a chamada nova classe média, avalia Renato Dagnino, professor titular no Departamento de Política Científica e Tecnológica da Unicamp. De acordo com ele, falta ao país o conhecimento tecnológico e científico adequado para a inclusão social ocorrer de forma sustentável social e ambientalmente. Por outro lado, Dagnino vê na erradicação da miséria uma “oportunidade de ouro” para repensar o tipo de conhecimento produzido no país. (mais…)

Read Full Post »

Heloisa Helvécia entrevista Rafaela Zorzanelli, Folha de S.Paulo, 7 de março de 2011

Enquanto nossas vísceras são esquadrinhadas por ressonâncias, tomografias e tudo o mais, aumenta a crença de que as respostas para qualquer sofrimento se escondem no físico. Essa relação é tema de “Corpo em Evidência”, trabalho dos pesquisadores Francisco Ortega e Rafaela Zorzanelli.

Quem fala à Folha é a capixaba Rafaela, que é mestre em psicologia e odeia tirar fotos. Longe de negar o benefício trazido pelas tecnologias, ela estuda o ônus, como novas síndromes e suas representações sociais.”Ganhamos muito, mas há modificações fortes na nossa experiência como ser humano. Se são perdas, não sei.” (mais…)

Read Full Post »